segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

As trilhas sonoras

Os momentos são embalados em trilhas sonoras. Há uma para cada estado de espírito. Evidentemente algumas músicas nos inspiram à composição mais doida de idéias, outras nos repelem de qualquer sensação animadora. Por exemplo, nesse exato momento, nessa postagem tenho meus ouvidos abertos para o estigma da trilha sonora (nesse caso, Norah Jones). Tendo exemplificado uma trilha sonora específica, sinto-me rude às composições musicais. Explicarei da seguinte forma: não me importa as letras inseridas nas melodias eu me aprisiono no estilo (tendenciosa ao meu estado de espírito). E o que importa eu soletrar em ordem alfabética todas as músicas que embalaram este ou aquele momento? Hãn?! O que importa? As trilhas sonoras não servem para soletração, elas são mais intensas. Elas nos inspiram ou depedram. São nossos cárceres em julgamento. Liberte-os! Permitem que saiam, mesmo que voltem no final da tarde (como num indulto). Tudo o que é abstrato tende a nos fascinar. Descubra o que de abstrato guarda com as letras, ouça as trilhas.